domingo, junho 10, 2018

UM OLHAR PARA VIDA




"Pensamento, palavras, ações, tudo se encadeia, tudo está ligado por uma série de causas e efeitos que formam a trama de nossos destinos" (León Denis, O Grande Enígma, p. 78)

          
O ente querido acamado e enfermo, nos últimos momentos de vida na matéria, enfrenta limitações, dores, sofrimento.
Um irmão se desespera, blasfema, revolta-se e se abate ao não perceber qualquer justiça e sentido na situação. A iminência da perda tira-lhe o chão e o desorienta.
O outro irmão mantém a serenidade, acolhe, entrega, aceita, ora e percebe a doença como uma oportunidade de limpeza espiritual, de abençoado resgate e que o fim do ciclo não significa o fim da linha, pois sabe que outros ciclos virão pela frente. 
O mesmo fato, percepções diferentes. 
Este fenômeno indica que cada ser tem uma visão única da vida.
A forma como a percebemos é o resultado de vários fatores, dentre os quais o fator espiritual.
A lente espiritual nos faz enxergar a vida e o mundo de uma forma totalmente diferente daqueles que não usam essa lente.
Naturalmente, não há só uma lente espiritual. Em verdade, há variações ao infinito.
O Espiritismo nos fornece algumas dessas lentes.
O estudo e a vivência espírita nos demonstram - com a razão e fatos - que existe uma dimensão espiritual e que interagimos com ela incessantemente. A vida não começa no berço e não acaba no túmulo. Somos viajantes em ciclos de vida para acúmulo de aprendizado. É este que define nossa evolução em uma escala incomensurável de progresso, pautada pela justiça divina que dá a cada um  a colheita equivalente à sua semeadura.
Na vida e no universo, tudo se liga, nada se perde, tudo se transforma incessantemente e do aparente caos emerge ordem, inteligência e beleza. Nesta linha, ensina-nos León Denis:


"Aprendemos igualmente que nenhum esforço é perdido e que nenhum sofrimento é inútil. O dever não é palavra vã, e o Bem reina sem partilha acima de tudo. Cada um constrói dia por dia, hora por hora, muitas vezes sem o saber, seu próprio futuro. A sorte que nos cabe na vida atual foi preparada pelas nossas ações anteriores; da mesma forma edificamos no presente as condições da existência futura. Daí para o sábio a resignação ao que lhe é inevitável na vida presente; dai também o estimulante poderoso para agir, devotar-se, preparando parar si próprio um destino melhor."(1)


A lente espiritual nos dá sentido, conforto, paz.
É um olhar generoso sobre a vida.
E você, com que lente vê a vida?


(1) O Grande Enigma, p. 79.
         

segunda-feira, abril 23, 2018

O PODER DO SOFRIMENTO




"Agradeço todas as dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar."
 (Chico Xavier)


A doutrina espírita nos demonstra com argumentos e fatos que não há acaso nas situações da vida.
Vivemos no que criamos, outrora ou com nossas decisões atuais.
O sofrimento faz parte disso. Em grande medida, é uma decisão.
Sim, porque é uma forma de ver e sentir as coisas que nos acontecem.
Duas pessoas, diante do mesmo fato, nunca têm exatamente a mesma percepção.
Uma delas pode, mesmo diante de grandes dificuldades, não sofrer ou transformar o sofrimento em oportunidade de crescimento pessoal e evolução espiritual.
É verdade, nem sempre é fácil.
Por vezes, é difícil demais e resta-nos vivenciar o sofrer, ainda que temporariamente.
Mas, faz grande diferença entregar-se, abater-se e apegar-se ao sofrimento e, noutro quadrante, senti-lo, mas estar aberto para aprender, ressignificá-lo, transformá-lo em motivação para mudanças.
É disso que fala Chico Xavier ao agradecer as dificuldades que enfrentou, por compreendê-las como oportunidades valiosas de aprendizagem e alavancagem de suas ações.
Portanto, quando o sofrimento te visitar, perceba como você está lhe dando com ele.
Esteja aberto, aprenda, transmude sua energia em poder transformador.
Pois se é verdade que o sofrimento tem o poder de destruir, não menos verdade é que ele tem o incrível poder de nos reinventar positivamente.
Tenha essa consciência e use o poder revigorante do sofrimento em seu benefício.
Isso fará grande diferença em sua vida.

domingo, abril 08, 2018

MISSÃO E ASSASSINATO


                                         



"Lutei contra a dominação branca e lutei contra a dominação negra. Porque eu promovi o ideal de uma sociedade democrática e livre na qual todas as pessoas possam viver em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal que espero viver mas, se necessário for, é um ideal para o qual estou preparado para morrer".

(Conclusão do discurso de três horas de Mandela durante seu julgamento, em 1964, em que foi acusado de sabotagem e traição).





                    Na primeira semana de abril de 2018 se completou 50 anos do assassinato do pastor protestante e ativista político Martin Luther King Jr., assassinado por ser um dos mais importantes líderes do movimento pelos direitos civis dos negros nos EUA.

                    No Brasil, na mesma época, completa quase um mês do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, que chocou o país e repercutiu em todo mundo. Conhecida por suas lutas sociais em prol dos direitos humanos e de minorias, teve sua vida ceifada por tiros que atingiram também o âmago da jovem democracia pátria.

                    Os assassinatos de Martin Luther King Jr. e Marielle Franco nos trazem muitas questões. Destaco duas para serem analisadas pela ótima espírita:

a)    Podemos nascer com alguma missão pré-definida, que inclui sua morte pela causa que defende?

b)    Alguém nasce com a missão de matar outra pessoa?

                    Primeiramente é importante entender que o que chamamos de missão deve ser abordada dentro do que os Espíritos chamam de programação reencarnatória. Esta é um conjunto de condições, circunstâncias, peculiaridades e compromissos que o Espírito assume, direta ou indiretamente, antes de voltar para matéria, mas não se confunde com destino, em face do seu caráter mutável e probalístico, eis que afetado pelo uso do livre arbítrio.

                    Sabemos que muitos Espíritos participam, em medidas diferentes, de algumas escolhas de sua reencarnação. O grau de participação nas escolhas depende do mérito e, portanto, do grau evolutivo do Espírito. Quanto mais evoluído, mais pode participar nas decisões sobre seu processo de retorno à matéria.

                    Portanto, é possível que Espíritos evoluídos participem, direta ou indiretamente, de escolhas de suas provas e expiações, o que inclui o processo da morte. Não são incomuns, por exemplo, registros de lideranças indicando o pressentimento de risco à sua vida, mesmo quando não há ameaça clara a seu respeito.

                    Mas esse não pode ser tomado como um critério absoluto.

                    Algumas questões importantes envolvem o tema.

                    No tocante à primeira pergunta, a resposta é sim.

                    Para entender, convém falar um pouco de alguns aspectos relevantes.

                    Como mamíferos que somos, a espécie homo sapiens sofre forte influência das emoções. Fartas pesquisas científicas comprovam que elas estão diretamente associadas as nossas crenças, nossa percepção do mundo, nossa memória, nossos laços afetivos e nossas decisões. Logo, as emoções são fatores que influenciam significativamente não apenas indivíduos como também coletividades.

                    Por outro lado, líderes geralmente têm uma habilidade comum: a empatia social cativante.

                    Quando um líder é assassinado, a sua morte gera, instantaneamente, um irradiante impacto emocional que afeta grande número de pessoas, às vezes toda uma sociedade e até mesmo vários países. O fato, cria, pois, uma atmosfera psicoemocional e cognitiva favorável para que seu exemplo e ideias sejam conhecidas e debatidas.

                    Mesmo em um tempo de hostilidades, a morte cria naturalmente um clima de reflexão. Não quer dizer que tudo o que o líder lutava torna-se perfeito. Quer dizer que as lutas, ideias e exemplos entram em pauta, são debatidas e, por vezes, o clamor popular move as estruturas de poder e transformações sociais ocorrem.

                    Podemos ver esse fenômeno claramente em mortes como a de Martin Luther King Jr., Mahatma Gandhi, Chico Mendes e agora de Marielle Franco. Foi o que ocorreu, por exemplo, com Martin Luther King Jr e os direitos civis dos negros e com Chico Mendes em relação à proteção ambiental da Amazônia.

                    Por isso, é possível que a morte no contexto de luta de seu ideal faça parte do programa reencarnatório de determinado Espírito que voltou à carne com uma missão ligada a alguma causa nobre, como a garantia de igualdade aos negros ou a luta contra grupos de extermínios em comunidades pobres.

                    Olhada isoladamente e somente pela perspectiva da matéria aquela morte pode não fazer sentido, mas de um ponto de vista mais largo e espiritual ela pode servir como um resgate de dívida passada – agora quitada em favor de uma causa nobre – e pode ser uma peça central em um mosaico complexo que faz parte de um amplo processo de mudança.

                    Ou seja, é possível que a morte de determinado indivíduo faça parte de um plano evolutivo maior, que é impulsionado pelo clamor social daquela morte. Isso não quer dizer que todo Espírito que luta por uma causa nobre será assassinado e tampouco que todo assassinato de lideranças esteja relacionado com sua luta por uma causa nobre. Líderes também são assaltados e mortos como qualquer cidadão comum.

                    Tampouco isso diminui a infâmia e a gravidade do ato de matar, que deve ser investigado, punido e, no final das contas, atesta a ainda baixa evolução da humanidade.

                    Também, não é possível afirmar que este é o caso de Martin Luther King Jr. ou de Marielle Franco. É uma hipótese, eis que muitas de suas lutas envolviam temas que estão relacionados com o progresso da humanidade, como o respeito aos negros e a minorias marginalizadas. Mas, repise-se, é apenas uma hipótese.

                    A primeira questão nos leva necessariamente à segunda: alguém nasce com a missão de matar, por exemplo, um líder?

                    A resposta é um peremptório não.

                    O tema deve ser estudado sob o prisma do livre arbítrio, que é objeto das questões 851 a 867 do Livro dos Espíritos. Sobre a hipótese de alguém reencarnar para matar convém transcrever a questão 861 do Livro dos Espíritos. Vejamos:



861. Ao escolher a sua existência, o Espírito daquele que comete um assassínio sabia que viria a ser assassino?



“Não. Escolhendo uma vida de lutas, sabe que terá ensejo de matar um de seus semelhantes, mas não sabe se o fará, visto que ao crime precederá quase sempre, de sua parte, a deliberação de praticá-lo. Ora, aquele que delibera sobre uma coisa é sempre livre de fazê-la, ou não. Se soubesse previamente que, como homem, teria que cometer um crime, o Espírito estaria a isso predestinado. Ficai, porém, sabendo que a ninguém há predestinado ao crime e que todo crime, como qualquer outro ato, resulta sempre da vontade e do livre-arbítrio.

“Demais, sempre confundis duas coisas muito distintas: os acontecimentos materiais e os atos da vida moral. A fatalidade, que por algumas vezes há, só existe com relação àqueles acontecimentos materiais, cuja causa reside fora de vós e que independem da vossa vontade. Quanto aos atos da vida moral esses emanam sempre do próprio homem que, por conseguinte, tem sempre a liberdade de escolher. No tocante, pois, a esses atos, nunca há fatalidade.”



                    Ou seja, ninguém nasce obrigado a matar.

                    Embora se reconheça a força do contexto e das circunstâncias, a escolha permanece e a pessoa pode resistir e não puxar o gatilho.

                    Ao puxar, assume a responsabilidade moral e espiritual de sua escolha.

                    Ela reflete a passagem bíblica (Lucas, 17) onde Jesus diz: ‘é impossível que não venham os escândalos, mas aí daquele homem por quem o escândalo vem”.

                    Por derradeiro, convém ampliar o prisma de análise e perceber estes fatos de um panorama mais amplo. Nesta toada, como perceber o fato sob a visão espírita?

                    Sabemos que estamos vivenciando a grande transição planetária. O tema é vasto, mas pode ser resumido nas convergências de múltiplas mudanças em níveis e dimensões diferentes da existência humana e da sociedade.

Modelos antigos estão ruindo. Mas não cairão sem barulho, luta e infelizmente violência.

                    As mortes de Martin Luther King Jr., de Marielle Franco e de tantos líderes fazem parte desse contexto de grandes mudanças. São pequenos pontos, que se tornam luz e inspiram transformações que às vezes só as próximas gerações vão se beneficiar.

                    Oxalá chegue o tempo onde as mudanças só ocorrerão pela via do amor. Por enquanto, infelizmente, a dor ainda tem muito a nos ensinar.